Saúde

Em dois meses de funcionamento da “Operação Dr. Teles”, 40 pacientes já receberam alta médica no Amapá

“Operação Dr. Teles” já tratou e deu alta para 40 pacientes em dois meses de funcionamento. O programa do Governo do Amapá concede assistência domiciliar a pacientes atendidos pelo Hospital de Emergências Oswaldo Cruz (HE) e, consequentemente, libera leitos na unidade, ajudando a diminuir a superlotação. Atualmente, 11 pessoas recebem tratamento em casa.

De acordo com os dados da coordenação do programa, 23 pacientes atendidos eram homens e 17 mulheres, todos com idade média de 45 anos. O paciente mais idoso tem 91 anos, e o mais jovem, 17 anos.

“A Operação Dr. Teles não possui um perfil de idade. Temos perfil apenas de avaliação clínica, que são pacientes de média e baixa complexidade, de acordo com a avaliação da equipe multiprofissional”, destacou o coordenador do programa, enfermeiro Valdir Gouveia.

Atualmente, equipe multidisciplinar acompanha simultaneamente 11 pacientes de vários bairros da capital, após darem entrada no HE. Os profissionais atravessam pontes, percorrem residências de norte a sul da capital, com medicamentos, materiais e medicamentos.

Foto: Gabriel Maciel/Sesa

Operação Dr. Teles
O projeto iniciou dia 11 de fevereiro com a seleção de pacientes de baixa complexidade que estavam no HE, com probabilidade de alta hospitalar. Eles receberam autorização médica para serem acompanhados a domicílio por uma equipe multidisciplinar do próprio hospital.

Os pacientes são avaliados previamente para ingressarem no programa conforme quadro clínico. O planejamento do Governo do Estado tem duas equipes para atendimento a domicílio, que trabalham em dois turnos.

Dr. Teles
O nome do programa homenageia Antônio Pinheiro Teles, médico que fundou o Serviço de Nefrologia e a Residência Médica no Amapá. Ele se dedicou à saúde dos amapaenses até os últimos momentos de sua vida. Gostava de tratar os pacientes com muita atenção e era conhecido por ser “médico de cabeceira de leito”, ou seja, sempre muito próximo dos pacientes.

Ele faleceu em 4 de janeiro de 2017, vítima de um infarto. Logo após seu falecimento, foi homenageado com o nome da Clínica de Nefrologia do Hospital de Clínicas Alberto Lima (Hcal).

 

Texto: Cássia Lima