Saúde

Mães com dificuldade para amamentar passam a receber assistência domiciliar do Banco de Leite, em Macapá

Serviço é executado pelo Banco de Leite Humano, com agendamento através de contato telefônico.

Para estimular a amamentação e auxiliar as mães neste processo, o Governo do Amapá passou a oferecer, desde a sexta-feira, 1º, o serviço de assistência domiciliar para mães com dificuldade para amamentar nos primeiros dias de pós-parto. A ação é uma iniciativa do Banco de Leite Humano (BLH).

Foto: Paolla Gualberto

Os atendimentos serão sempre pelo turno da manhã, de segunda a sexta-feira, mediante agendamento, que deve ser feito pelo número (96) 98115-9018. De acordo com a responsável técnica do BLH, Darcineyde Dias, a prioridade para o serviço são mulheres com até sete dias de pós-parto, e que passaram por cesariana.

“Os primeiros sete dias são os mais delicados para a mulher, principalmente para as que passaram por cesariana, que dificulta o deslocamento. É também nesse período que muitas famílias, devido a essa dificuldade, recorrem à fórmula infantil, porém é de suma importância manter o aleitamento materno de forma exclusiva até os 6 meses, por isso, na primeira semana, mãe e bebê precisam de muito apoio”, explicou Darcineyde.

Foto: Darcineide Dias – coordenadora do Banco de leite

Benefícios da amamentação

Considerado como o melhor e mais completo alimento, o leite materno é fundamental para a saúde e o desenvolvimento de bebês – fortalece o sistema imunológico, diminui os riscos de obesidade, de diabetes, casos de diarreia, infecções respiratórias, hipertensão e colesterol alto, além de reduzir em 13% a mortalidade por causas evitáveis em crianças menores de cinco anos.

A amamentação iniciada logo após o nascimento do bebê pode diminuir a mortalidade neonatal, que acontece até o 28º dia de vida, e, para as mulheres, reduz o risco de desenvolvimento do câncer de útero e câncer de mama.

O Ministério da Saúde recomenda manter o aleitamento materno até os dois anos de idade ou mais, devendo ser o alimento exclusivo até os seis meses de vida do bebê.

 

Com informações de Jamile Moreira