Segurança

PF e ICMBio de Brasília combatem garimpo ilegal em área próxima à reserva Waiãpi, no Amapá

Ação foi realizada dentro do Parque Nacional do Tumucumaque, no Amapá.

Nos dias 26 e 27 de outubro, a Polícia Federal, em parceria com ICMBio de Brasília e o Grupo Tático Aéreo (GTA), deflagrou a Operação Divertere, em região de garimpo ilegal entre o município de Calçoene e a reserva indígena Waiãpi, no estado do Amapá.

A ação de hoje tem o objetivo de combater a extração ilegal de ouro e demais crimes ambientais cometidos na região da Unidade de Conservação Integral do parque Nacional Montanhas do Tumucumaque, bem como localizar maquinários usados pelos garimpeiros para a inutilização desses equipamentos.

Foi identificado que a atividade garimpeira desmatou, em poucos meses, uma área de mais de 1 milhão de metros quadrados, o que equivale a mais de 100 campos de futebol.

Além das áreas diretamente desmatadas, os danos ambientais causados pelo garimpo ilegal impactam a cadeia ambiental em até 300 km do curso dos rios da região, com danos que podem ser considerados irreversíveis para a população, uma vez que o mercúrio (metal pesado utilizado pelos garimpeiros) contamina diretamente os organismos vivos da água, acarretando em contaminação.

Resultado operacional de hoje: duas escavadeiras hidráulicas, e diversos motores bombas, totalizando mais de 2.5 milhões de prejuízo aos indivíduos que exploram ilegalmente a área.

A ação de hoje faz parte de um esforço da PF em combater o garimpo ilegal no Amapá, buscando localizar e responsabilizar as pessoas que cometem esse tipo de crime. Sendo esta, a terceira operação deflagrada este ano com o mesmo objetivo.

Os investigados poderão responder pelos crimes de usurpação de bem da união e extração ilegal de minérios. Em caso de condenação, poderão pegar uma pena de até 10 anos de reclusão e pagamento de multa.

 

Com informações da Polícia Federal