Segurança

Painel de Gênero discute o papel das mulheres militares nas forças armadas

Como parte da programação do Exercício CORE 23, foi realizado o Painel de Gênero ‘Mulheres, paz e segurança’, na segunda-feira (06), no auditório da 22ª Brigada de Infantaria de Selva (22ª Bda Inf Sl).

Esta é uma agenda global, regida pela Resolução 1325 do Conselho de Segurança das Nações Unidas e tem como base reconhecer as mulheres como agentes críticos na prevenção e resolução de conflitos e na reconstrução de sociedades estáveis em todo o mundo. Além disso, foram discutidos assuntos relacionados a presença da mulher na carreira militar.

A Chefe de Estado-Maior Conjunto da Guarda Nacional de Nova Iorque, General de Brigada Smith, tem 35 anos de carreira militar e disse que para alcançar o mais alto posto dentro da força americana foi preciso ser tenaz para superar os desafios. “Houve alguns desafios que encontrei, no entanto, ao longo dos anos, aprendi a superar esses desafios tanto na capacidade mental quanto na capacidade física. Encontrei maneiras de contornar isso e de garantir que saibam que tenho voz, assim como meus colegas do segmento masculino e que tenho ideias como eles, então acho que é importante que mandemos isso para outras mulheres que estão ingressando no exército, para que saibam que também podem se destacar”.

Atualmente, mais de 13 mil mulheres militares compõem as fileiras do Exército Brasileiro em diversas áreas de atuação. O General Vinícius que foi comandante do Corpo de Cadetes da Academia Militar das Agulhas Negras (AMAN) no período de formação da primeira turma de mulheres, destacou a importância do segmento feminino: “É interessante ver como as mulheres militares vem conduzindo as atividades dentro do Exército Brasileiro. Ver a seriedade, o profissionalismo e a maturidade das mulheres no desempenho das diversas funções. Desde a academia, a gente vê que não tem distinção no tratamento e na condução das atividades. Isso quebra alguns tabus e mostra que elas vão conquistando seu espaço dentro da força terrestre”.

No exercício CORE 23, oito militares do seguimento feminino compõem a Força Tarefa. A 2º Sargento Ingrid Freitas, da turma de 2011 do serviço de saúde, acredita que mesmo sendo a minoria, a instituição vem reconhecendo o papel da mulher militar. “Hoje, consigo vislumbrar o quanto o Exército se esforça pra que nós possamos ocupar nossos espaços de forma igualitária”.

 

Com informações da comunicação exército.