Segurança

Operação Patrulha: Força Tarefa cumpre mandados para investigar facção criminosa atuante no estado

Câmeras de vigilâncias eram utilizadas para monitoramento de atividades policiais das áreas de domínio da facção

A Força Tarefa de Segurança Pública do Amapá, deflagrou na manhã desta segunda-feira (10/07) a Operação Patrulha, com o cumprimento de 5 mandados de busca e apreensão nos bairros Infraero I e II, Novo Buritizal e Central, em desfavor de três suspeito de integrarem organização criminosa.

A ação de hoje é um desdobramento da Operação Caixinha, deflagrada em março deste ano, que visava reprimir o núcleo financeiro de uma facção, uma vez que foi identificado um conhecido esquema no qual algumas lideranças cobravam taxas de manutenção mensal, conhecidas como “caixinha”, para que os faccionados tivessem benefícios perante as lideranças.

Foi possível identificar membros de uma facção criminosa que realizavam o “mapeamento” das áreas em que a facção tem domínio, observando a presença de facções criminosas rivais, bem como a vigilância dos policiais. Além disso, foram identificados possíveis integrantes do “tribunal do crime”.

Foi averiguado que alguns dos membros utilizam câmeras de vigilância para monitorar a movimentação policial nas áreas em que a facção tem domínio, assim, comunicando a outros integrantes a direção em que os agentes estão se movimentando. As câmeras são posicionadas em pontos estratégicos, tendo a

exclusiva finalidade de vigiar a movimentação policial a fim de dar tranquilidade para o comércio ilegal de drogas, além de outros delitos crimes pelos faccionados.

Ainda, no “tribunal do crime”, foi identificado que um dos investigados foi incumbido por uma liderança de aplicar punição à um integrante da facção. O mesmo retornou informando que teria “estourado a cara da pessoa”, ocasião essa que foi repreendido pelos mandantes informando que era para lesionar apenas braços, costas e pernas.

Em outros casos foi identificado que os integrantes planejavam a execução de outros três indivíduos, sendo membros da facção e civis que estariam em desacordo com as leis estipuladas pela facção.

Ainda em diligencias, foi identificado que a facção cobrava uma taxa de R$ 100,00 reais dos comerciantes locais, sob pena de represálias.

Os investigados poderão responder pelos crimes tráfico de drogas e integrar organização criminosa. Em caso de condenação, poderá pegar uma pena de até 23 anos de reclusão mais pagamento de multa.

Fazem parte da Força Tarefa de Segurança Pública (FTSP) a Polícia Federal, PRF, PM, PC, IAPEN e SEJUSP.

 

Com informações da Comunicação Social da FTSP – Amapá