Cidades

MP-AP homenageia profissionais pelo Dia do Jornalista

Na segunda-feira (3), o procurador-geral de justiça do Ministério Público do Amapá (MP-AP), Paulo Celso Ramos, recebeu para homenagens, jornalistas com atuação em redações e assessorias de comunicação. O encontro foi para celebrar o Dia do Jornalista, comemorado dia 7 de abril, e dialogar sobre a gestão da Procuradoria-Geral de Justiça (PGJ) e MP-AP. A gerente de Comunicação da instituição, Jane Barbosa, e a promotora de justiça e chefe de gabinete, Christie Damasceno, participaram da recepção juntamente com a equipe da Assessoria de Comunicação.

“Quero agradecer a todos os presentes e aos que não estão aqui entre nós por conta de seus compromissos, mas que contribuem com a nossa sociedade e com instituições como o Ministério Público. Nosso trabalho também é baseado nas notícias que têm credibilidade, é importante podermos depositar confiança em fontes seguras, preservamos a liberdade de imprensa e de combate às fake news. Esta é uma forma de homenageá-los pela data, mas esta relação tem que ser construída todos os dias para mantermos a aproximação e o respeito”, afirmou o PGJ Paulo Celso.

O presidente do Sindicato dos Jornalistas do Amapá (SINDJOR/AP), João Clésio, agradeceu a acolhida e homenagens, afirmando que a imprensa no Amapá está cada vez mais profissional, com trabalhadores formados e compromissados.

Presidente do Sindicato dos Jornalistas do Amapá (SINDJOR/AP), João Clésio,

 

A jornalista e assessora de comunicação do Serviço Brasileiro de Apoio às Pequenas e Microempresas (SEBRAE/AP), Sândala Barros, agradeceu a parceria com o MP-AP e anunciou que a instituição irá realizar o Prêmio Sebrae de Jornalismo em Empreendedorismo, para reconhecimento dos profissionais que atuam na área.

Representando o Serviço Brasileiro de Apoio às Pequenas e Microempresas (SEBRAE/AP), Sândala Barros.

O Dia do Jornalista foi criado em 1931, pela Associação Brasileira de Imprensa (ABI), como homenagem ao médico e jornalista Giovanni Battista Líbero Badaró, morto por inimigos políticos em 1830. Badaró defendia a liberdade de imprensa e mantinha um jornal de oposição ao império.

 

Texto: Mariléia Maciel