Política

Lula autoriza o envio de ajuda humanitária aos governos do Chile e da Turquia

O apoio do governo brasileiro, aprovado nesta quarta-feira (8/2), alcança R$ 13,5 milhões; a operação em campo deve se estender por duas semanas

O presidente da República, Luiz Inácio Lula da Silva, autorizou a ajuda humanitária do Brasil aos governos do Chile e da Turquia em razão dos incêndios florestais no Chile e do terremoto na Turquia. O apoio brasileiro, aprovado nesta quarta-feira (8/2), deve alcançar os R$ 13,5 milhões e a operação em campo deve se estender por duas semanas.

Para o Chile, o governo brasileiro autorizou o envio de uma aeronave da Força Aérea Brasileira (FAB) equipada para o combate aos incêndios (com tripulação e equipe de campo), além de aeronaves-cisternas, veículos, equipamentos e materiais. O apoio, que pode alcançar R$ 3,5 milhões, irá reforçar a ação de 60 brigadistas disponibilizados pelos ministérios da Justiça e Segurança Pública (MJSP) e do Meio Ambiente e Mudança do Clima (MMA). Outros seis especialistas em Comando e Controle e em comportamento do fogo devem reforçar a equipe de ajuda humanitária no país.

Incêndios florestais estão devastando regiões do Chile. Créditos: Reprodução/Redes Sociais

No caso da Turquia, impactada por terremotos, a apoio brasileiro pode somar R$ 10 milhões. Será integrado por uma equipe de busca e resgate urbano, composta por até 22 especialistas do Corpo de Bombeiros da Polícia Militar do Estado de São Paulo. O grupo ainda contará com o suporte de integrantes do Corpo de Bombeiros Militar dos estados de Minas Gerais e Espírito Santo. O efetivo seguirá para Ancara, capital turca, a bordo de uma aeronave cargueira KC-390, também da FAB.

O governo turco calcula que 5.775 prédios tenham colapsado – Foto: Reprodução

Já são quase 300 incêndios florestais que atingem a zona centro-sul do Chile. Há registro de 26 mortes, 3 mil desabrigados e mais de 1.100 residências destruídas. Na Turquia, o terremoto de magnitude 7,8 já é considerado um dos mais devastadores dos últimos 20 anos no mundo.