Economia

Governo do Amapá faz diagnóstico dos empreendedores impactados pelo adiamento do bloco ‘A Banda’

O Governo do Amapá está atuando para amenizar os impactos aos empreendedores com o adiamento do tradicional bloco de rua “A Banda”, na terça-feira, 13, em Macapá, em razão dos alagamentos provocados em toda a cidade pelas fortes chuvas.

Com a expectativa de reunir mais de 150 mil pessoas, e ser um dos principais eventos do carnaval do estado, muitos vendedores apostam na festa para garantir a renda extra neste período. Entre eles estão os que trabalham com a venda de alimentos e investiram na compra dos produtos que são perecíveis.

Para garantir que as perdas não sejam tão significativas equipes da Secretaria de Estado do Trabalho e Empreendedorismo (Sete) foram às ruas e avenidas que integram as proximidades e o percurso da passagem do bloco, para fazer o diagnóstico de quem atuaria na venda dos gêneros alimentícios.

Foto: Divulgação/Sete

A intenção é garantir aos empreendedores que tenham algum prejuízo com produtos perecíveis, tenham acesso rápido às linhas de créditos disponibilizadas pela Agência de Fomento do Amapá (Afap).

“Como parte das ações do Governo do Estado, após o adiamento do bloco ‘A Banda’, entramos com equipes para fazer o diagnóstico e cadastro de empreendedores que trabalham com venda de comida e outros produtos, que investiram para comercializar em todo o percurso. A intenção é verificar a melhor maneira de garantir apoio, junto com a Afap, para diminuir os prejuízos!, destacou o secretário da Sete, Ezequias Costa.

Adiamento do bloco A Banda

Atendendo a um pedido do governador Clécio Luís, a direção do tradicional bloco “A Banda” adiou a programação da terça-feira, 13, de Carnaval. O motivo são as fortes chuvas que atingem Macapá e que provocaram alagamento em vários pontos da cidade. Uma nova data será definida, e o desfile do maior bloco de rua do Amapá contará com o mesmo apoio na segurança e saúde do Governo do Estado preparado para esta terça.

O governador ligou para o presidente do bloco, José Figueiredo de Souza, o Savino, explicando as medidas que o Estado está tomando para auxiliar o Município, e a necessidade de adiar a folia para que os esforços sejam todos concentrados no auxílio à população que teve as casas invadidas, e em casos mais extremos como na orla do Aturiá, perderam tudo com a força da maré do rio Amazonas.