Segurança

Força Tarefa cumpre mandados de busca e prisão preventiva contra “ratos d’água”

Ação atinge quadrilha que roubava tinta naval de navios mercantes na costa do Amapá

A Força Tarefa de Segurança Pública do Amapá deflagrou na manhã desta sexta-feira (05/05), a Operação Nereus, com o cumprimento de 15 mandados de busca e apreensão e 6 mandados de prisão preventiva nos bairros Elesbão, Ilha de Santana e Comunidade do Ambrósio, no município de Santana.

As investigações iniciaram-se após diligências realizadas pela Força Tarefa de Segurança Pública e pela Comissão Nacional de Segurança Pública nos Portos, Terminais e Vias Navegáveis (CONPORTOS), que informou acerca das constantes ações de “piratas”, mais conhecidos como “ratos d’água”, onde estariam praticando de forma corriqueira, furtos em navios mercantes na foz do rio amazonas, próximo à costa do Amapá e em embarcações fundeadas nas áreas ribeirinhas de Macapá, Santana e adjacências.

Durante as investigações foi possível identificar inúmeros boletins de ocorrências, dentre os quais, cerca de 40% eram informando os furtos e/ou roubos referentes à “tinta naval”, material bastante utilizado nas embarcações para reparo e de considerável valor comercial. As práticas delituosas ocorriam, em sua maioria, no período noturno. Os indivíduos utilizavam nas ações duas lanchas que ficavam ancoradas na Ilha de Santana.

 

A FTSP identificou pelo menos dez indivíduos, com fortes indícios de participação nos crimes na área. Um dos envolvidos teria supostamente participado do latrocínio de um velejador neozelandês, cuja embarcação foi invadida em 5 de dezembro de 2001.

Em uma das ações do bando, ocorrida no dia 28/02/2023, eles adentraram a bordo de um navio proveniente do Chipre, fizeram um tripulante de refém ao ser amarrado pelas mãos e pés e ter os olhos vendados e roubaram a tinta que havia a bordo.

A Força Tarefa levantou ainda que os investigados estariam utilizando um depósito, localizado na baixada do Ambrósio, em Santana, para armazenar os equipamentos utilizados nas ações (tintas navais, embarcações, lonas e cabos).

Os investigados poderão responder pelos crimes de associação criminosa, roubo e furto qualificado. Se  condenados, poderão pegar uma pena de até 28 anos de reclusão mais pagamento de multa.

Fazem parte da Força Tarefa de Segurança Pública (FTSP) a Polícia Federal, PRF, PM, PC, IAPEN e SEJUSP. A ação de hoje contou ainda com a participaçãoda Companhia Fluvial do Batalhão Ambiental da PM, Marinha do Brasil, COE/BOPE e do GAECO – do Ministério Público Estadual.

Com informações da Comunicação Social da FTSP – Amapá