Saúde

Dia Mundial de Combate à LER e DORT é marcado por ação educativa no Amapá

O Dia Mundial de Combate às Lesões por Esforço Repetitivo ou Distúrbios Osteomusculares (LER/DORT) é celebrado hoje, 28. No Amapá, a data foi marcada por ações educativas, desenvolvidas pelo Núcleo de Vigilância em Saúde do Trabalhador, vinculado à Superintendência de Vigilância em Saúde (SVS).

A mobilização aconteceu pela manhã no auditório do Hospital de Clínicas Alberto Lima (HCAL). Os funcionários receberam orientações indicando os principais motivos de dores e lesões, além de explicações sobre como evitar qualquer indício das doenças que acometem diversos profissionais e ocasionam constantes afastamentos no ambiente ocupacional.


O objetivo é conscientizar para prevenir os problemas, destacou a superintendente da SVS, Margarete Gomes; “Nós temos a missão de promover ações para melhorar as condições de trabalho e a qualidade de vida do trabalhador por meio da prevenção e vigilância em saúde”, disse.

A LER compreende um conjunto de doenças causadas pela realização de atividades contínuas e repetitivas. A DORT, por sua vez, é uma sigla para um conjunto de doenças causadas por movimentos repetitivos durante a execução de um trabalho. Ambos os problemas levam a lesões nas estruturas dos tendões, músculos e ligamentos.

Segundo a fisioterapeuta, Giovana Lopes Bueres, é fundamental que o trabalhador, ao primeiro sintoma da doença, procure assistência especializada, evitando a evolução clínica do quadro.

“Os profissionais também serão orientados sobre a importância da notificação da doença, pois a partir dos dados epidemiológicos pode ser realizado Políticas Públicas para prevenir o avanço de casos”, reforçou a fisioterapeuta.


Como prevenir?
Os sinais e sintomas de LER/DORT são múltiplos e diversificados, destacando-se:

  • Dor espontânea ou à movimentação passiva, ativa ou contra resistência;
  • Alterações sensitivas de fraqueza, cansaço, peso, dormência, formigamento, sensação de diminuição, perda ou aumento de sensibilidade, agulhadas, choques;
  • Dificuldades para o uso dos membros, particularmente das mãos, e, mais raramente, sinais flogísticos e áreas de hipotrofia ou atrofia.

Serviço
O Núcleo de Vigilância em Saúde do Trabalhador funciona no prédio da SVS, localizado na Avenida 13 de Setembro, nº 1889, bairro Buritizal, de segunda a sexta-feira, das 8h às 17h.

 

Texto: Mônica Silva