Cidades

Dia Mundial da Limpeza reúne voluntários no entorno da Fortaleza de São José de Macapá

Foi a primeira vez que o Amapá participou da iniciativa, que acontece em 197 países desde 2018.

Um mutirão de limpeza realizado em volta da Fortaleza de São José, na orla de Macapá, marcou o Dia Mundial da Limpeza celebrado no sábado, 16. Essa foi a primeira vez que a data é comemorada no Amapá pelo Instituto Limpa Brasil. A iniciativa, que ocorre em 197 países com o grupo “Let’s Do It”, contou com o apoio do Governo do Estado, reforçando a preservação da Amazônia.

A Secretaria de Estado do Meio Ambiente (Sema) levou o projeto de educação ambiental, promovendo um momento lúdico e educativo com as crianças presentes no Parque do Forte.

O educador ambiental da Sema, Renato Brasiliense, desenvolve um teatro de bonecos, com brincadeiras educativas e atividades com material reutilizável.

Foto: Albenir Sousa/GEA

“É um momento de integrar essa ação e garantir a participação nessa data tão importante. Precisamos trabalhar com as crianças porque elas são as embaixadoras deste trabalho, levam o que aprendem para casa, se tornam multiplicadores, e crescem com consciência ambiental”, explica o educador.

Além da atividade com as crianças, outros voluntários percorreram o Parque do Forte e o anfiteatro da Fortaleza recolhendo o material descartado indevidamente e orientando a população.

O Instituto EcoVidas também foi um parceiro da iniciativa. A integrante do coletivo, Mariana da Rocha, de 16 anos, diz que o momento traz a conscientização como parte fundamental do combate às mudanças climáticas.

Mariana da Rocha -Instituto EcoVidas . foto: Albenir Sousa/GEA

“Fomos convidados a integrar essa ação e estamos muito animados, porque o espaço surpreendeu, esperávamos encontrar mais lixo, porém a maior parte da praça está limpa. Mas ainda encontramos muitos resíduos nos locais de maior circulação, o que acaba tornando esse momento ainda mais importante para mudar essa realidade”, conta a adolescente.

O coordenador de Estudo, Educação Ambiental e Acervo da Sema, Airá Santana, reforçou o compromisso do Governo do Estado com iniciativas que dão visibilidade à preservação dos biomas, sobretudo, na Amazônia.

Coordenador de Estudo, Educação Ambiental e Acervo da Sema, Airá Santana. Foto: Foto: Albenir Sousa/GEA

“O Governo do Amapá tem procurado trabalhar em parceria com a comunidade, instituições parceiras e demais agentes com o objetivo de ser atuante nas causas de preservação do nosso meio ambiente, com uma política sustentável de diálogo e ações como essa, que trazem visibilidade e conscientização ao público; a Sema tem estado presente através da educação ambiental, que permite essa aproximação do público para esse debate fundamental para quem vive na Amazônia”, reforça o coordenador.

Dia Mundial da Limpeza

Anualmente, o Dia Mundial da Limpeza acontece no terceiro sábado de setembro com o objetivo de diminuir a poluição ambiental com o desperdício de plástico, impulsionando a mudança comportamental nas sociedades.

A partir de 2024 a campanha será oficializada no calendário da Organização das Nações Unidas (ONU). Hoje, o Dia Mundial da Limpeza acontece em 197 países e territórios desde 2018, e já teve a adesão de mais de 71 milhões de voluntários, retirando mais de 344.500 mil toneladas de resíduos de rios, praias, praças, mangues, ruas, etc. No Brasil, a ação acontece oficialmente com a liderança do Instituto Limpa Brasil, tendo a adesão de mais de 1,2 municípios.

Para a organizadora da atividade no Estado e líder do Comitê de Sustentabilidade do Grupo Mulheres do Brasil, Erica Modena, a escolha da Fortaleza de São José de Macapá foi estratégica por conta da quantidade de pessoas que frequentam o espaço.

Organizadora da atividade no Estado e líder do Comitê de Sustentabilidade do Grupo Mulheres do Brasil, Erica Modena. Foto: Foto: Albenir Sousa/GEA

“As pessoas se mobilizaram para fazer a limpeza dos seus bairros, suas praças, rios, então trouxemos para Macapá essa iniciativa, especificamente, para a Fortaleza, pela importância histórica dela e também pela proximidade com o Rio Amazonas, o que torna esse um espaço de grande valor ambiental e cultural, que reúne famílias, amigos, pessoas que podem ser alcançadas pela nossa mensagem”, explica Erica.

 

Com informações de Rafaela Bittencourt