Economia

Bolsa Família injeta R$ 85,1 milhões no Amapá em julho

Ao todo, serão atendidas 122.110 famílias nos 16 municípios do estado. O valor médio do benefício é de R$ 728,55. Pagamentos têm início nesta terça, 18/7, e seguem até o dia 31

A economia do Amapá vai receber, em julho, R$ 85,1 milhões do Bolsa Família para atender 122.110 beneficiários do programa. O valor médio é de R$ 728,55 por núcleo familiar. O cronograma de pagamentos tem início nesta terça-feira, 18/7, para os beneficiários com Número de Identificação Social (NIS) de final 1. Os repasses seguem até o dia 31.

Do total repassado pelo Governo Federal, R$ 9,4 milhões são para atender 67.195  crianças de zero a seis anos que fazem parte da composição familiar dos beneficiados pelo programa. São R$ 150 adicionais previstos no Benefício Primeira Infância. Outros R$ 5 milhões contemplam 113.848 pessoas que recebem o Benefício Variável Familiar, que atende 5.158 gestantes e 108.690 crianças e adolescentes de sete a 18 anos com um adicional de R$ 50.

A capital Macapá concentra os maiores valores a receber e número de famílias contempladas. São R$ 40,9 milhões que vão atender 57.863 grupos familiares. Outros 22,2 mil contemplados em Santana vão receber R$ 14,9 milhões. Em Laranjal do Jari, são 9.073 famílias que terão à disposição quase R$ 6,1 milhões. Para Mazagão, serão R$ 3,7 milhões distribuídos entre 5.451 grupos familiares; e, em Oiapoque, são R$ 3,3 milhões que vão ajudar a melhorar a qualidade de vida de 4.424 famílias.

Das 16 cidades do estado, o maior valor médio do Bolsa Família é em Cutias, com R$ 835,18. No município, são 988 núcleos familiares contemplados. Tartarugalzinho tem o segundo maior valor médio, que é de R$ 801,89, atendendo 2.577 famílias. Em Ferreira Gomes, este valor é de R$ 798,54, o terceiro maior no estado. Depois vêm os beneficiários de Mazagão, com média de R$ 774,44; e Calçoene, com R$ 766,90.

REGIÕES – Na divisão por regiões, o Nordeste concentra o maior número de famílias contempladas pelo Bolsa Família. São 9,59 milhões de famílias a partir de um investimento de 6,3 bilhões. Na sequência aparece o Sudeste, com 6,21 milhões de beneficiários (R$ 4,1 bilhões). A lista se completa com 2,55 milhões de beneficiários do Norte (R$1,7 bilhão), 1,42 milhão de famílias no Sul (R$ 962 milhões) e 1,11 milhão no Centro-Oeste (R$ 772 milhões).

ESTADOS – Na divisão por Unidades Federativas, São Paulo concentra o maior número de famílias contempladas. São R$ 2,53 milhões de beneficiários, a partir de um investimento de R$ 1,7 bilhão. Na sequência aparece a Bahia, com 2,51 milhões de famílias e R$ 1,65 bilhão em repasses.

Outros seis estados reúnem mais de um milhão de beneficiários: Rio de Janeiro (1,7 milhão), Pernambuco (1,64 milhão), Minas Gerais (1,6 milhão), Ceará (1,4 milhão), Pará (1,3 milhão) e Maranhão (1,2 milhão). O estado com maior valor médio de repasse é Roraima, com R$ 753,52, seguido por Amazonas (742,84) e Acre (R$ 742,27).

Com informações da Secretaria da Presidência da República.